Siga por Email

17/06/2010

Artigo - Call of Cthullu RPG

Criado pela Chaosium (a mesma empresa que criou Pendragon). Os personagens tem características de zero a vinte e poucos (sendo 12 a média), como força, inteligência e afins, que servem para dar corpo ao personagem, sendo pouco utilizados em lançamentos. Tem skills de 0 a 100 (library use, locksmith, spot hidden, etc). Tudo muito simples.
Os jogadores escolhem uma profissão (que pode ir de mendigo a milionário); embora todo o tipo de profissões têm vantagens, convém sempre ter um professor universitário especialista em história/línguas antigas, pois mais cedo ou mais tarde os PJ’s irão deparar-se com textos em língua estranha ou objetos arqueológicos que convém serem rapidamente identificados. 
É um jogo sobretudo de investigação; interrogando pessoas, lendo livros e registos, procurando pistas, que dêem a solução (e salvação) antes do confronto final (contra um cultista, uma organização ou uma criatura qualquer);  personagens unicamente preparadas para a luta com uma vida muito curta (quando percebem que as suas AK-47 não fazem nada a um ser de 30 metros de altura!).

Este jogo tem por base a mitologia criada por H.P. Lovecraft (criarei um artigo só para isto) mas digamos que Lovecraft criou toda uma história alternativa, povoada de numerosas criaturas de pesadelo (que estão em boa parte adormecidas ou escondidas); o homem ignora tudo isso, confortado nas certezas da sua ciência/religião favorita, até que tropece nelas por acaso.

Pode-se jogar em 3 eras diferentes: período Vitoriano (séc. XIX), anos 20 e atualidade. Na realidade, o jogo está direcionado para os anos loucos (época da maior parte das histórias), e que tem mais piada (mas isso é uma questão de opinião). 

O livro contém o background mitológico, um bestiário, uma biblioteca muito particular, regras de magia (deve ser o único jogo em que os jogadores se disputam a honra de não aprender feitiços), várias cronologias (de acontecimentos políticos e sociais, desastres, sobrenatural), uma seção sobre medicina legal (estilo C.S.I.), 4 cenários, uma seção de armas para os fãs do gênero.

Reservo para o final, aquilo que é considerado uma das originalidades do jogo: a sanidade mental. Todos os personagens tem um determinado valor de San; à medida que vão encontrando “coisas” que vão abalando a sua percepção do mundo, vão perdendo a sanidade, até estarem loucos, mortos ou convertidos aos Grandes Antigos.

O artigo é muito curto para um jogo tão rico, mas qualquer contribuição é bem vinda!

0 comentários:

Postar um comentário

RSS FeedRSS

 
by Blogger